Entrevistas

Entrevista com Eliana Atihé

Captura de Tela 2013-05-29 às 11.59.04Eliana Braga Aloia Atihé é professora de Língua Portuguesa, mestre em Comunicação e Semiótica, doutora em Educação. Trabalha com grupos de leitura e autoconhecimento (grupos de corpo e alma) formados por mulheres em busca de outras imagens do feminismo. Ela respondeu a algumas perguntas de Negócios de Mulheres, trazendo ideias inovadoras e interessantes para todas as mulheres.

NdeM: Cinquenta anos depois das rupturas necessárias do feminismo, em que pé está o Feminino no mundo?

Eliana: Décadas passadas das rupturas necessárias e urgentes do feminismo, as qualidades do Feminino profundo andam fazendo muita falta, num mundo heróico, polarizado na ação, na competitividade e no conflito.  O bebê foi jogado fora com a água do banho e o feminismo terminou paralisado no tempo e no espaço, aprisionado na mesma armadilha patriarcal que tanto buscou combater.

Culta e Grossa (em Mulher Esqueleto)
Culta e Grossa (em Mulher Esqueleto)

Vivemos num mundo em que os valores masculinos, ativo-agressivos, de competição, separação e antagonismo, são determinantes, até mesmo na educação das crianças pequenas.
Todos querem ser masculinos em seu modo de atuar no mundo e a energia de compensação, gerada no polo oposto, o Feminino, está fragilizada, quando não ausente.
Como energia passivo-receptiva, de relação, colaboração e acolhimento, não apenas reduzido à condição de gênero, o Feminino pode perfeitamente ser expresso tanto por homens quanto por mulheres. A beleza como valor profundo (não simples culto da aparência), a compaixão, o cuidado com o mundo interno, com a casa, com o planeta, com a educação das crianças e com os mais velhos, a gentileza, a receptividade, a introversão, a escuta, a empatia são alguns dentre os valores do Feminino que nossa cultura tem negado e pervertido.
Ironicamente, porém, são os mesmos valores dos quais nossa alma tem fome. São atributos da Alma num sentido amplo, a dimensão do mundo interno e também do mundo exterior identificada com a imaginação, a memória, as emoções e os sentimentos: as expressões do Feminino profundo.

NdeM: De que maneiras uma cultura de mercado globalizada como a nossa e as mídias, como estratégias desse modelo  neopatriarcal, atuam para diminuir ou mesmo neutralizar por completo as qualidades do Feminino?

Menos triunfo. Mais sentido. (em Mulher Esqueleto)
Menos triunfo. Mais sentido. (em Mulher Esqueleto)

Eliana: Com a expansão da cultura de mercado globalizada, as mídias cada vez mais vêm atuando no sentido de neutralizar as diferenças individuais e culturais, impondo modelos de comportamento que rejeitam as formas e expressões autênticas do Feminino. Desse modo, as pessoas, as mulheres em particular, veem-se reduzidas a estereótipos, que são adotados, sem questionamento, como modelos. O consumismo feroz precisa nos reduzir a seres teleguiados, incapazes de refletir sobre o impacto de nossas ações no mundo. De modo geral, as ideologias políticas e religiosas tampouco estimulam a reflexão e o autoconhecimento.

NdeM: Como os estereótipos que servem a essa mesma cultura estão impedindo as mulheres de ser e de amar, e as relações, de amadurecer?

Eliana: A periguete, vulgar e hipersexualizada, a “fodona” corporativa, agressiva e prepotente, a super-mulher-multi-tarefeira, heróica e maníaca por perfeição são exemplos dessa triste redução do gênero feminino a caricaturas. Uma compreensão do Feminino como força de reparação desse cenário instaura outro olhar sobre a realidade e suas crises atuais, a maioria delas resultantes do esgotamento do modelo heroico, tanto à esquerda quanto à direita.

NdeM: Com o Feminino ausente ou empobrecido, como ficam as relações? Ora, é só olhar ao redor.

Eliana: O Feminino representa a função de relação, um modo de ser e estar no mundo que permite a construção e o cuidado com os vínculos. Com seu gradual esvaziamento, as relações andam cada vez mais superficiais, fantasiosas e breves.  Pessoas sem resiliência, incapazes de empatia, incompetentes para lidar com as frustrações e revezes naturais da vida, infantilizadas e dependentes de remédios e outras drogas, pais que têm medo de educar seus filhos e de servir de continente para eles, nos primeiros anos da vida, transtornos alimentares… Esses  são alguns dos frutos das carências da Alma e da repressão do Feminino no mundo.

Besteiras de Férias (ou 50 tons de ouro e azul) em Mulher Esqueleto
Besteiras de Férias (ou 50 tons de ouro e azul) em Mulher Esqueleto

NdeM: E como fica envelhecer?

Eliana: Envelhecer é o grande tabu da nossa época. Ninguém quer ficar velho. O herói não quer envelhecer, todavia ele não tem escolha. A questão não é se vou envelhecer. É, sim, como vou envelhecer. Há uma obsessão doentia por juventude, triunfo, saúde, sucesso e beleza. As mulheres são as maiores vítimas da pressão para viver de aparências, embora a alma masculina também esteja exausta e perdida. Como o Feminino profundo pode ajudar a gente a lidar com a passagem inexorável do tempo? Como a alma pode nos ensinar a morrer, enquanto nos ensina a viver?

Mulher Esqueleto

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s