Empreendedorismo femininno

Tech’s up! Por mais mulheres na área da tecnologia

images

Há mais ou menos 2 meses estava junto com algumas amigas assistindo o filme “Estrelas Além do Tempo”. O filme, baseado em um livro de não ficção, conta a história de três mulheres que tiveram importância fundamental no programa espacial americano, em uma época em que as tensões entre os Estados Unidos e a União Soviética atingiram seu ápice.

Inevitavelmente o filme também traz uma reflexão acerca da escassez de mulheres no segmento de ciências e tecnologia. Ainda que tenhamos a oportunidade de ver mais mulheres à frente de grandes empresas e trazendo perspectivas e estilos de liderança diferentes (ainda longe do ideal), quando olhamos para o universo de tecnologia, a representatividade feminina ainda se revela bastante tímida.

Em um rápido retorno ao histórico da primeira turma de Computação do IME (Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo), me surpreende que 70% dos alunos eram mulheres. Na época, a computação era um desdobramento do curso de matemática, que tradicionalmente já era mais frequentado por mulheres. O que mudou de lá para cá?

Para responder a essa pergunta, faz bastante sentido que olhemos para a história e alguns dados para entendermos como este cenário foi sendo construído.

Em primeiro lugar, a disseminação global transformou a tecnologia em uma questão cultural que passou a ser influenciada ainda na infância, época em que as meninas começam a ser desestimuladas a seguir carreiras técnicas. Segundo o livro Unlocking the Clubhouse: Women in Computing (‘Entrando no Clubinho: Mulheres na Computação’), da pesquisadora Jane Margolis, metade das famílias americanas decide colocar o computador no quarto do filho homem, gerando uma associação precoce que acompanhará as crianças até a fase adulta. Nas próprias escolas é possível perceber essa mesma falta de estímulo à aproximação da tecnologia, bem como o próprio reconhecimento das habilidades matemáticas nas meninas, que, inevitavelmente, passam a preferir outros tipos de carreiras.

Mesmo quando as mulheres decidem ingressar na faculdade em cursos nas áreas de Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática, apenas 26% delas seguem carreira efetivamente na área, contra 40% dos homens (STEM). Isso significa que a maioria das mulheres qualificadas desistem de trabalhar nessas áreas, mesmo após estarem formadas e com conhecimento adquirido.

download

Entre as mulheres que finalmente decidem por carreiras técnicas na área de tecnologia, algumas pesquisa revelam que elas imediatamente encontram um ambiente de trabalho bastante desfavorável, com pouca diversidade e um excessivo comportamento machista e competitivo entre os colegas, o que desestimula a permanência nessas empresas.

Essa distorção marca a diferença atual entre as empresas de tecnologia e o resto do mercado de trabalho. No ranking das 100 maiores empresas do mundo, 20% têm, pelo menos, uma diretora. No Vale do Silício, esse número cai para 10% das empresas. De acordo com o Departamento de Trabalho dos Estados Unidos, apenas 11% dos profissionais de Engenharia do país são mulheres. Segundo um estudo da Harvard Business School, apenas 10% dos aportes financeiros na forma de investimentos são feitos em startups comandadas por mulheres. Nos Estados Unidos, as programadoras de código correspondem a 26% do total. No Brasil, a situação é ainda pior: apenas 17% dos programadores brasileiros são mulheres.

imagesEssa matemática precisa mudar radicalmente. As empresas de tecnologia precisam compreender a importância de olhar a diversidade como um fator positivo. Pesquisa do Gallup aponta que corporações que apostam em perfis mais plurais – inclusive com mais mulheres – têm um turnover 22% menor e uma facilidade maior na hora de contratar; times de tecnologia com maior diversidade também tendem a ser mais eficientes e produtivos; empresas com profissionais de background diferentes representam melhor a própria sociedade, passam a compreendê-la melhor e desenvolvem a capacidade de produzir produtos e serviços mais adequados e pertinentes aos dias de hoje.

A verdade é que nós, profissionais em posições de liderança, devemos ajudar os gestores a preparar seus times para a diversidade. Isso deve ocorrer não apenas no momento da contratação, mas também de maneira constante, estimulando um ambiente de trabalho que respeite as individualidades. Mulheres têm o direito e a competência para exercer qualquer cargo em qualquer empresa, seja na área técnica, gerencial ou executiva. Precisamos de pessoas talentosas, homens e mulheres, que estejam prontas para assumir o protagonismo que seus cargos exigem, mas que também possam ajudar a construir um mundo mais aberto. Só depende de nós.

Sobre a Movile

A Movile é líder em marketplaces móveis, e tem como grande sonho tornar a vida de 1 bilhão de pessoas melhor através de seus aplicativos. A empresa, que atua no Brasil, Estados Unidos, França, México, Colômbia, Peru e Argentina, já soma mais de 150 milhões de usuários ativos mensalmente. Com 1600 funcionários apaixonados pelo mesmo sonho, empoderados a construir novos negócios com potencial global e motivados a tomarem riscos, a Movile tem como principais pilares os segmentos Food, Tickets, Education & Care e Rapiddo. Para os interessados em fazerem parte do time Movile, as oportunidades estão disponível em movile.com/jobs

 

Luciana Carvalho, Diretora de Gente da Movile

Divulgação

Anúncios
Empreendedorismo femininno

Crise, necessidade e resiliência: entenda porque o empreendedorismo se fortalece a cada ano no Brasil

download (1)

Apesar da forte crise econômica pela qual passamos nos últimos anos, esse foi um dos períodos em que o brasileiro mais empreendeu. Dados da última pesquisa da Global  Entrepreneurship Monitor (GEM), realizada pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) no Brasil, mostram que a taxa de empreendedorismo no País foi de 39,3%, o maior índice dos últimos 14 anos e quase o dobro do registrado em 2002, quando a taxa era de 20,9%.

Quando comparada internacionalmente, a taxa de empreendedorismo brasileira é superior à dos Estados Unidos, México, Alemanha e dos países que compõem o Brics, por exemplo. Durante o triênio 2014/2016, a situação de crise política e econômica se instalou no Brasil e aflorou o chamado empreendedorismo por necessidade. O fato é que empreender se tornou uma alternativa do brasileiro para contornar as dificuldades que a economia vem passando.

Analisando a taxa de empreendedores iniciais (Total Entrepreneurial Activity ou TEA) por escolaridade, constata-se que o Brasil é o único país pesquisado em que as pessoas que mais empreendem tem a escolaridade entre primeiro grau completo e segundo grau incompleto. Quem mais empreendeu foram aqueles que tinham secundário completo. Ou seja, nesses anos o empreendedorismo por necessidade imperou no Brasil.

É evidente que nossa taxa de empreendedorismo está diretamente ligada à escassez de downloadoportunidades formais. Prova disso é que a maioria das novas empresas são abertas no modelo de microempreendedor individual (MEI), e a representatividade dos MEIs no mercado cresceu junto com o desemprego. Ou seja, basicamente o empresariado brasileiro, que até então não tinha tido tempo ou dinheiro para se especializar, está empreendendo e tocando seu negócio no feeling. Enquanto isso, outros países como, por exemplo, os EUA investem na formação e capacitação de empreendedores.

No entanto, a garra e a intuição nem sempre são o suficiente para a administração de uma empresa de sucesso. Há situações em que o feeling embasado em percepções pode ser importante, porém é rotineiramente exceção. Se os novos empreendedores se livraram do fantasma do desemprego, eles agora têm outro desafio: fazer seu negócio vingar. Ainda segundo o Sebrae, 23% das empresas no Brasil fecham as portas nos dois primeiros anos.

Esta discussão ganha mais relevância quando a matéria é inovação, onde os critérios download (2)para a decisão de lançamento de um produto ou serviço não têm base de comparação. Normalmente quando alguém tem uma ideia inovadora e quer vende-la, acaba focando nos pontos positivos, vivência pessoal e principalmente paixão. Vale lembrar que esses pontos não são o suficiente para atrair uma maior atenção do mercado e, consequentemente, investimentos.

Brasil X USA

Enquanto quase metade dos empreendedores brasileiros foram motivados pela necessidade e não por uma oportunidade observada no mercado, nos Estados Unidos apenas cerca de 14% tiveram essa motivação, ainda considerando dados da GEM. Além disso, os estudantes brasileiros que vivem aqui são muito pouco expostos ao conceito e alternativa de empreender. O ensino tradicional no Brasil incentiva os jovens a buscar um emprego, seja na iniciativa privada ou na pública. Na maioria das vezes, os alunos não são apresentados à possibilidade de empreender como uma alternativa à carreira em uma empresa, e se prendem ao sonho de ter uma vida estável.

O fato de a educação empreendedora brasileira também não estar alinhada ao que se pratica em outros países é um entrave à essa mentalidade. Em linhas gerais, é evidente que o brasileiro tem um potencial pouco explorado. Empreender é algo que está em nossas veias. Mas, independente do nosso talento natural, essa é uma prática que precisa ser estimulada e disseminada de forma mais técnica e abrangente e todos as camadas da sociedade. O empreendedorismo por aqui pode – e deve – crescer muito. Mas que não seja apenas por necessidade.

*Eduardo Küpper é MBA pela Wharton Business School e MA em Estudos Internacionais pelo The Lauder Institute, ambos na Universidade da Pensilvânia e Co-fundador da Wharton Alumni Angels Brasil

Sobre a Wharton Alumni Angels

A Wharton Alumni Angels é um grupo de investidores-anjo, ex-alunos da Wharton School da Universidade da Pensilvânia, nos EUA, que tem como objetivo fomentar o empreendedorismo, a inovação e a criação de novos negócios. Idealizado por Eduardo Küpper e Guilherme Freire, ex-alunos da Wharton School da Universidade da Pensilvânia, uma das mais renomadas intuições de ensino superior dos EUA, o grupo quer auxiliar startups em estágio inicial a conseguirem investimentos e colocar empreendedores brasileiros em contato com a cultura empreendedora americana.

Divulgação

Empreendedorismo femininno

Primeiro Fórum de Talentos Grisalhos

29570268_1828747433822787_857532307123977277_n

 

 

Além da pesquisa sobre a primeira geração de mulheres a envelhecer em posições de primeiro nível, o painel “Envelhecimento da Mulher Executiva”, do I Fórum de Talentos Grisalhos, que acontece  amanhã,  dia 10 de abril, trará a importante participação de Andrea Menezes, Managing Director do Standard Bank Representações do Brasil.

Em seu depoimento, a executiva falará sobre suas experiências no mercado de trabalho e quanto a diversidade de gênero e de idade foram determinantes para seu sucesso profissional.

Mais informações e inscrições acesse o site http://forumtalentosgrisalhos.com.br/

Empreendedorismo femininno

MATURIDAY 2018 – Novas conexões, novas formas de trabalho e novas carreiras!

Ser sênior e ser mulher: como enfrentar um desafio duplo? Quais são os maiores desafios no empreendedorismo após os 50 anos? Como as redes sociais e a tecnologia pode ajudar profissionalmente os maturis?

 

Essas e outras perguntas serão debatidas no evento MaturiDay – edição 2018 que acontece no próximo dia 17,  com mais de 250 maturis que irão se reunir para trocar experiências, conhecimentos e fazer novas conexões.

O evento,  organizado pelo MaturiJobs, é um dia dividido entre palestras, workshops e debates que abordam um tema para lá de importante e atual: longevidade no mercado de trabalho. A partir deste tema central são abordados assuntos como reinvenção profissional e novas carreiras, empreendedorismo, atualização tecnológica, resiliência e networking. Alguns nomes como Wilson Trevisan, empresário e expert em consultoria, Rebeca Toyama, coach e mentora , Ana Fontes, especialista em empreendedorismo feminino e o professor Marcelo Nakagawa estão entre os dez palestrantes que tornarão a experiência didática, leve e objetiva.

MATURIDAY-2018-compressed-1

Divulgação

 

 

Empreendedorismo femininno

Cresce o número de mulheres nos pequenos negócios

como-validar-ideias-empreendedoras-300x300

 

Em cinco anos, mais que dobrou o número de mulheres Microempreendedoras Individuais (MEI) no Brasil. O número de formalizadas que trabalhavam por conta própria saltou de 1,3 milhão, em 2013, para 3 milhões, em 2018, um aumento de 124%. É o que mostra um levantamento do Sebrae Minas, com base em dados do Portal do Empreendedor.

 De acordo com os dados da Receita Federal, até fevereiro deste ano, dos 6.389.621 MEI no país, 48% eram mulheres. O Rio de Janeiro é o estado em que elas são a maioria (51%). Já em Alagoas e Ceará, as empreendedoras representam a metade dos formalizados. Em Minas Gerais, dos mais de 736 mil formalizados, 47% eram mulheres, cerca de 347 mil empreendedoras em todo o estado.

 Já em relação ao mercado de trabalho das Micro e Pequenas Empresas (MPE), segundo levantamento do Sebrae Minas com base nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), dos mais de 8 milhões de demitidos pelas MPE em 2017, 39,8% eram mulheres. Os setores de serviços e comércio foram responsáveis por mais da metade dos desligamentos das trabalhadoras (2,9 milhões).

 Já em relação às contratações, em 2017 as MPE admitiram 4,3 milhões de mulheres, cerca de 39,3% dos contratados no período. Dessas, aproximadamente 47% tinham o ensino médio completo.

 Em Minas Gerais, as MPE também contrataram mais mulheres do que demitiram. Foram 411.626 admissões contra 403.089 desligamentos, o que resultou em um saldo de 8.537 empregos no ano passado.

 O outro lado da moeda

 Apesar do aumento da participação das mulheres no mercado de trabalho das MPE, elas ainda saem em desvantagem na questão salarial. De acordo com dados do Caged, as mulheres contratadas em 2017 ganhavam, em média, R$ 1.281,87, R$ 150,03 a menos que os homens. Já entre as demitidas, que tinham um salário médio de R$ 1.380,73, a diferença salarial chegava a R$ 179,13. O maior contraste foi entre as mulheres demitidas que tinham o ensino superior completo. Elas chegavam a ganhar R$ 1.161,39 a menos que os homens na mesma situação.

 Em Minas Gerais, a diferença salarial é ainda maior. As mulheres admitidas ganhavam R$ 163,75 a menos que os homens. Já entre as demitidas, o salário era R$ 180,95 menor que dos homens.

Divulgação

 

Empreendedorismo femininno

INSTITUTO CONSULADO DA MULHER ABRE INSCRIÇÕES PARA A 6ª EDIÇÃO DO PRÊMIO DE EMPREENDEDORISMO FEMININO

Banner_Final_2018-1-1

De 8 de março a 2 de abril, mulheres que empreendem em todo Brasil podem se inscrever de forma gratuita, para a 6ª edição do Prêmio Consulado da Mulher de Empreendedorismo Feminino 2018. A ação social da Consul incentiva o empoderamento feminino e apoia mulheres de todo país, com o objetivo de viabilizar geração de renda para melhorar sua qualidade de vida.

Com apoio da ONU Mulheres, a premiação traz novidades em 2018: visando sempre inovar metodologicamente e acompanhando os movimentos atuais do empreendedorismo, o Consulado da Mulher decidiu criar uma nova categoria no Prêmio de 2018.

Além dos 10 empreendimentos coletivos, liderados por mulheres na área de alimentação, será premiado também uma empreendedora “de impacto social” que apresente um tipo de solução que resolva problemas sócio-ambientais.

Para colocar a novidade em prática, o Consulado da Mulher fez parceria com organizações especialistas no tema, como o Sistema B e a Artemisia, que oferecem curso online de negócios de impacto social e workshop de mensuração de impacto para a vencedora e também com a Fundação Dom Cabral, reconhecida em gestão de negócios, que disponibilizará uma vaga em seu Programa de Desenvolvimento de Dirigentes.

Os vencedores do prêmio receberão eletrodomésticos Consul, recurso financeiro para investir no negócio e consultoria de negócios. Para se inscrever, basta atender aos critérios contidos no edital divulgado no site: http://consuladodamulher.org.br/. Para a categoria empreendimentos coletivos no segmento de alimentação, estes deverão ter um parceiro social. Poderão participar organizações sem fins lucrativos coletivos ou em rede, e tenham protagonismo feminino.

“Nosso objetivo é reconhecer mulheres líderes em seus empreendimentos e comunidades, contribuindo para acelerar o desenvolvimento social. A nova categoria do prêmio, na qual vamos eleger um empreendimento de impacto social, é um novo incentivo para impulsionar boas práticas de sustentabilidade e empreendedorismo”, afirma Leda Böger, diretora do Instituto.

“Por meio do Instituto Consulado da Mulher, a Consul se engaja em uma causa social e reafirma seu compromisso em ser uma marca próxima, parceira e responsável. Apostamos em sonhos que transformam a vida de mulheres de todo o Brasil e temos a certeza que veremos ótimas histórias nesta 6º edição do prêmio”, afirma Renato Firmiano, diretor de Marketing da Whirlpool Latin America.

Em 2017, o Consulado da Mulher beneficiou direta e indiretamente 4.483 pessoas, 245 empreendimentos, totalizando um faturamento de R$ 5.7 milhões. Acesse o site www.consuladodamulher.org.br e saiba mais sobre os critérios das 2 categorias. A ficha de inscrição para a 6ª edição está disponível para download também no site, à partir de 8 de março. O prazo para envio é 01 de abril, ao e-mail –premio@consuladodamulher.org.br

 

Sobre o Instituto Consulado da Mulher

O Instituto Consulado da Mulher é a Consul transformando os sonhos em realidade. Incentivamos e viabilizamos geração de renda para melhorar a qualidade de vida das pessoas, investindo no empreendedorismo feminino. As mulheres, que fazem de conquistas pessoais transformações em cadeia, conseguem impactar as suas comunidades e não deixam ninguém de fora dessa história. Em nossos 15 anos de atuação, são mais de 34 mil pessoas beneficiadas e 427 projetos apoiados por todo o Brasil. A gente faz história! Outras informações: www.consuladodamulher.org.br.

Sobre a Consul

Há mais de 60 anos no mercado brasileiro, a Consul é pioneira no desenvolvimento de soluções bem pensadas e criativas no segmento de eletrodomésticos. A marca está presente em mais de 50% dos lares brasileiros,  faz parte da Whirlpool Latin America, empresa líder no setor de eletrodomésticos e da Whirlpool Corporation, maior fabricante de eletrodomésticos do mundo.

]Mais sobre a Consul em- www.consul.com.br

 

Banner_Final_2018-1-1Divulgação

 

blogueira e influenciadora digital, Carreira, Empreendedorismo femininno, empreendedorismo maduro

Momento Empreendedora com Deia Cypri, influenciadora digital.

22894112_1595999170443718_2763269699663626730_n

Andrea Cypriano Nunes, Deia Cypri, uma paulista sonhadora apaixonada pela arte e comunicação. Ainda criança iniciou na dança e se profissionalizou como bailarina clássica aos 18 anos de idade, época em que tornou seu sonho uma realidade e profissão.

Graduou-se como bailarina clássica e coreógrafa sendo diplomada pela Royal Academy of Dancing de Londres. Tendo a justiça como sua outra paixão, cursou e se formou na faculdade de Direito, mas nunca deixou de atuar na área artística.

Durante sua carreira trabalhou nas maiores emissoras da televisão brasileira, em shows de grandes artistas da música nacional como bailarina e coreógrafa e nos últimos anos como repórter e apresentadora.

Há cinco anos está casada com o artista sertanejo Edson da dupla Edson & Hudson e continua atuando no meio artístico e em shows pelo mundo a fora. Porém agora com sua marca consolidada no mercado e com uma grande repercussão nas mídias sociais, conquistou o reconhecimento como influenciadora digital e formadora de opinião após o lançamento de seu blog.

O “Blog da Deia” aborda temas como moda, beleza, saúde, boa forma, viagens, e gastronomia, além de dicas importantes para o dia a dia de todos que querem ficar antenados com as tendências do momento –

Apresenta também o “Programa Deia Cypri” , todas as segundas-feiras, a partir das 20h. na alltv , recebendo convidados e aboradando diversos temas como moda, beleza, cultura, variedades, entre outros assuntos .

E as novidades não param, Deia Cypri é a mais nova contratada da emissora RPTV, Rede Paulistana de Televisão. A apresentadora comandará dois programas com conteúdos diferentes e é a nova aposta da RPTV. Além dos programas,  criou um canal no YouTube onde compartilha seu conhecimento sobre moda, beleza, saúde, gastronomia, viagens e diversos outros assuntos, como sua vida pessoal.

Divulgação.