Apenas 2% dos líderes do mundo são mulheres

Palestras estimulam as mulheres a
desenvolverem competências tidas como de liderança masculinas, administrar o tempo sem ser
escravas dele, a se dedicar igualmente à vida pessoal e à profissional e a
cuidar da imagem e da comunicação.
Na defesa do coaching como ferramenta para
enfrentar os desafios do avanço rápido do mundo moderno e da conquista de espaço
na liderança empresarial e política pelas mulheres, Flora Victoria,
vice-presidente e fundadora da Sociedade Brasileira de Coaching, abriu o Fórum
“Mulheres em Destaque”, ontem (14/09). O evento, organizado pela CK Eventos, acontece na sede da Fecomércio, em
São Paulo. Embora as mulheres atualmente representem 51% da força de trabalho no
mundo, apenas 2% ocupam cargos de liderança, exemplificou Victoria, citando
pesquisas internacionais e estudos sobre o assunto.
Para uma platéia formada essencialmente por
mulheres executivas e empresárias que se manifestaram, a pedido da palestrante,
como, na maioria, líderes em suas áreas, Victoria focou sua palestra na figura
Alfa, que se caracteriza por quatro competências, a de comandante, visionário,
estrategista e executor, mais desenvolvidas pelo gênero masculino.
Para testar a platéia, Victoria solicitou que
cada uma se desse uma nota para cada uma dessas competências e depois
classificou como não alfas, as pessoas com nota média até cinco, de seis a 7,
meio alfas e de 8 a 10, como alfas ou alfonas. Em seguida pediu que as pessoas
citassem nomes de líderes mundiais ao longo da história e foram citados apenas
homens. Por isso ela provocou: “Gente, estamos num fórum de mulheres, será que
não há nenhuma mulher alfa?”. Daí surgiram algumas, como Margareth Thatcher,
Indira Gandhi.
Para desenvolver competências para a
liderança, Victoria sugere algumas dicas como se apaixonar pelo que faz,
procurando interesse pelo aprimoramento por meio de frequência a cursos ou
debates como o de hoje; desenvolver capacidade de adaptação e flexibilidade às
circunstâncias, sendo resiliente e superando as pressões; assumir
responsabilidades sem culpar a história e os esteriótipos; e traçar o melhor
caminho para chegar onde os 2% de mulheres já chegaram desenvolvendo as
competências da mulher alfa.
Flora Victoria destacou a rápida evolução da
humanidade nos últimos 50 anos e sobre os desafios para as lideranças que ela
diz acreditar seja melhor distribuída entre homens e mulheres no futuro.
A população mundial somava 3,5 bilhões em 1968
e chegou a 7 bilhões 43 anos depois; o PIB (Produto Interno Bruto) mundial era
de US$ 2 trilhões e no ano passado chegou a 62 trilhões, ou seja, enquanto a
população dobrou, a riqueza mundial se multiplicou por trinta. “É certo que a
produção de petróleo e da indústria contaminaram o planeta a ponto de duvidarmos
se ainda teremos onde viver daqui a 50 anos, mas bastaria 1% do PIB mundial para
anular o aquecimento global”.
E disse que, apesar das grandes desigualdades
que ainda persistem, a pobreza diminuiu no mundo a ponto de o Banco Mundial e a
Organização das Nações Unidas estabelecerem que com outro 1% do PIB mundial se
acabaria com a fome no planeta.
O Brasil, nesse cenário tem todas as condições
de avançar e chegar à quarta potência mundial muito antes da primeira previsão
da Goldman Sachs para 2050, afirmou a palestrante, que destacou recente pesquisa
da revista Forbes, que colocou a presidente do Brasil, Dilma Roussef, como a
terceira mulher mais poderosa do mundo, atrás de Angela Merckel, da Alemanha e de
Hilary Clinton, dos EUA.
O desafio da psicóloga Andrea Mele de Mello
Peixoto, professora da Universidade Anhembi Morumbi, na palestra sobre
administração do tempo foi mostrar que não são necessárias 48 horas em um só dia
para que a mulher consiga executar todas as tarefas que lhe cabem como
profissional, dona-de-casa, mãe, esposa, para cuidar da beleza e do
aperfeiçoamento na profissão e no desenvolvimento de sua carreira. O esteriótipo
da mulher escrava do tempo foi representado por ela mesma ao entrar na sala de
conferências descabelada, falando ao celular, arrastando uma valise, com pasta e
casaco nas mãos, atrasada e pedindo desculpas.
Andrea Peixoto ilustrou sua palestra com a
mitologia grega. Cronos, filho de Urano e Géia (céu e terra), que comia os
próprios filhos para não ser castrado, mas que teve o filho Zeus como
sobrevivente e a profecia se concretizou, e Kairós que, ao contrário de Cronos,
tinha o sentido da vida representado pelo movimento espiral na ação, no fluxo e
na transformação, de forma devagar.
Na convivência desses mitos antagônicos está o
equilíbrio para a administração do tempo. De um lado, o tempo de ser, saboreado,
espiralado, de criação e de outro, a rigidez do começo-meio-fim, as metas, os
prazos, a pontualidade. “O caminho do meio é o melhor para o sucesso e para ser
feliz”, diz Peixoto, sugerindo que para ter o tempo sob controle é administrar o
tempo e não ser dominado por ele. “Há que se ter flexibilidade para não ser
escrava do tempo, pois não se pode programar 100% do tempo e administrá-lo é
adquirir o controle da vida”.
Camila Teixeira, da Fit Consultoria e Cláudia
Colnago, diretora da Verbare Comunicação e Design debateram sobre a importância
da comunicação e as regras de etiqueta e da imagem entre as mulheres que são
líderes.
Anúncios

Sobre ccaureis

Jornalista e Mediadora de Conflitos
Esse post foi publicado em Empreendedorismo femininno e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s