Empreendedorismo femininno

MATURIDAY 2018 – Novas conexões, novas formas de trabalho e novas carreiras!

Ser sênior e ser mulher: como enfrentar um desafio duplo? Quais são os maiores desafios no empreendedorismo após os 50 anos? Como as redes sociais e a tecnologia pode ajudar profissionalmente os maturis?

 

Essas e outras perguntas serão debatidas no evento MaturiDay – edição 2018 que acontece no próximo dia 17,  com mais de 250 maturis que irão se reunir para trocar experiências, conhecimentos e fazer novas conexões.

O evento,  organizado pelo MaturiJobs, é um dia dividido entre palestras, workshops e debates que abordam um tema para lá de importante e atual: longevidade no mercado de trabalho. A partir deste tema central são abordados assuntos como reinvenção profissional e novas carreiras, empreendedorismo, atualização tecnológica, resiliência e networking. Alguns nomes como Wilson Trevisan, empresário e expert em consultoria, Rebeca Toyama, coach e mentora , Ana Fontes, especialista em empreendedorismo feminino e o professor Marcelo Nakagawa estão entre os dez palestrantes que tornarão a experiência didática, leve e objetiva.

MATURIDAY-2018-compressed-1

Divulgação

 

 

Anúncios
Empreendedorismo femininno

Cresce o número de mulheres nos pequenos negócios

como-validar-ideias-empreendedoras-300x300

 

Em cinco anos, mais que dobrou o número de mulheres Microempreendedoras Individuais (MEI) no Brasil. O número de formalizadas que trabalhavam por conta própria saltou de 1,3 milhão, em 2013, para 3 milhões, em 2018, um aumento de 124%. É o que mostra um levantamento do Sebrae Minas, com base em dados do Portal do Empreendedor.

 De acordo com os dados da Receita Federal, até fevereiro deste ano, dos 6.389.621 MEI no país, 48% eram mulheres. O Rio de Janeiro é o estado em que elas são a maioria (51%). Já em Alagoas e Ceará, as empreendedoras representam a metade dos formalizados. Em Minas Gerais, dos mais de 736 mil formalizados, 47% eram mulheres, cerca de 347 mil empreendedoras em todo o estado.

 Já em relação ao mercado de trabalho das Micro e Pequenas Empresas (MPE), segundo levantamento do Sebrae Minas com base nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), dos mais de 8 milhões de demitidos pelas MPE em 2017, 39,8% eram mulheres. Os setores de serviços e comércio foram responsáveis por mais da metade dos desligamentos das trabalhadoras (2,9 milhões).

 Já em relação às contratações, em 2017 as MPE admitiram 4,3 milhões de mulheres, cerca de 39,3% dos contratados no período. Dessas, aproximadamente 47% tinham o ensino médio completo.

 Em Minas Gerais, as MPE também contrataram mais mulheres do que demitiram. Foram 411.626 admissões contra 403.089 desligamentos, o que resultou em um saldo de 8.537 empregos no ano passado.

 O outro lado da moeda

 Apesar do aumento da participação das mulheres no mercado de trabalho das MPE, elas ainda saem em desvantagem na questão salarial. De acordo com dados do Caged, as mulheres contratadas em 2017 ganhavam, em média, R$ 1.281,87, R$ 150,03 a menos que os homens. Já entre as demitidas, que tinham um salário médio de R$ 1.380,73, a diferença salarial chegava a R$ 179,13. O maior contraste foi entre as mulheres demitidas que tinham o ensino superior completo. Elas chegavam a ganhar R$ 1.161,39 a menos que os homens na mesma situação.

 Em Minas Gerais, a diferença salarial é ainda maior. As mulheres admitidas ganhavam R$ 163,75 a menos que os homens. Já entre as demitidas, o salário era R$ 180,95 menor que dos homens.

Divulgação

 

Empreendedorismo femininno

INSTITUTO CONSULADO DA MULHER ABRE INSCRIÇÕES PARA A 6ª EDIÇÃO DO PRÊMIO DE EMPREENDEDORISMO FEMININO

Banner_Final_2018-1-1

De 8 de março a 2 de abril, mulheres que empreendem em todo Brasil podem se inscrever de forma gratuita, para a 6ª edição do Prêmio Consulado da Mulher de Empreendedorismo Feminino 2018. A ação social da Consul incentiva o empoderamento feminino e apoia mulheres de todo país, com o objetivo de viabilizar geração de renda para melhorar sua qualidade de vida.

Com apoio da ONU Mulheres, a premiação traz novidades em 2018: visando sempre inovar metodologicamente e acompanhando os movimentos atuais do empreendedorismo, o Consulado da Mulher decidiu criar uma nova categoria no Prêmio de 2018.

Além dos 10 empreendimentos coletivos, liderados por mulheres na área de alimentação, será premiado também uma empreendedora “de impacto social” que apresente um tipo de solução que resolva problemas sócio-ambientais.

Para colocar a novidade em prática, o Consulado da Mulher fez parceria com organizações especialistas no tema, como o Sistema B e a Artemisia, que oferecem curso online de negócios de impacto social e workshop de mensuração de impacto para a vencedora e também com a Fundação Dom Cabral, reconhecida em gestão de negócios, que disponibilizará uma vaga em seu Programa de Desenvolvimento de Dirigentes.

Os vencedores do prêmio receberão eletrodomésticos Consul, recurso financeiro para investir no negócio e consultoria de negócios. Para se inscrever, basta atender aos critérios contidos no edital divulgado no site: http://consuladodamulher.org.br/. Para a categoria empreendimentos coletivos no segmento de alimentação, estes deverão ter um parceiro social. Poderão participar organizações sem fins lucrativos coletivos ou em rede, e tenham protagonismo feminino.

“Nosso objetivo é reconhecer mulheres líderes em seus empreendimentos e comunidades, contribuindo para acelerar o desenvolvimento social. A nova categoria do prêmio, na qual vamos eleger um empreendimento de impacto social, é um novo incentivo para impulsionar boas práticas de sustentabilidade e empreendedorismo”, afirma Leda Böger, diretora do Instituto.

“Por meio do Instituto Consulado da Mulher, a Consul se engaja em uma causa social e reafirma seu compromisso em ser uma marca próxima, parceira e responsável. Apostamos em sonhos que transformam a vida de mulheres de todo o Brasil e temos a certeza que veremos ótimas histórias nesta 6º edição do prêmio”, afirma Renato Firmiano, diretor de Marketing da Whirlpool Latin America.

Em 2017, o Consulado da Mulher beneficiou direta e indiretamente 4.483 pessoas, 245 empreendimentos, totalizando um faturamento de R$ 5.7 milhões. Acesse o site www.consuladodamulher.org.br e saiba mais sobre os critérios das 2 categorias. A ficha de inscrição para a 6ª edição está disponível para download também no site, à partir de 8 de março. O prazo para envio é 01 de abril, ao e-mail –premio@consuladodamulher.org.br

 

Sobre o Instituto Consulado da Mulher

O Instituto Consulado da Mulher é a Consul transformando os sonhos em realidade. Incentivamos e viabilizamos geração de renda para melhorar a qualidade de vida das pessoas, investindo no empreendedorismo feminino. As mulheres, que fazem de conquistas pessoais transformações em cadeia, conseguem impactar as suas comunidades e não deixam ninguém de fora dessa história. Em nossos 15 anos de atuação, são mais de 34 mil pessoas beneficiadas e 427 projetos apoiados por todo o Brasil. A gente faz história! Outras informações: www.consuladodamulher.org.br.

Sobre a Consul

Há mais de 60 anos no mercado brasileiro, a Consul é pioneira no desenvolvimento de soluções bem pensadas e criativas no segmento de eletrodomésticos. A marca está presente em mais de 50% dos lares brasileiros,  faz parte da Whirlpool Latin America, empresa líder no setor de eletrodomésticos e da Whirlpool Corporation, maior fabricante de eletrodomésticos do mundo.

]Mais sobre a Consul em- www.consul.com.br

 

Banner_Final_2018-1-1Divulgação