Empreendedorismo femininno

Fórum faz abordagem holística da felicidade

images (1)Palavras como depressão, stress, síndrome do Pânico, fobias sociais entre outras doenças se tornaram comuns em bate-papos de amigos. Cada vez mais, leigos se interessam pelo assunto, não à toa uma vez que, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), até 2020 a depressão será a principal doença mais incapacitante do planeta. Esse e outros temas relacionados à saúde e o bem-estar serão abordados na terceira edição do Internacional Happiness Forum que chega à terceira edição e será sediado em São Paulo, nos dias 2 e 3 de setembro, com apoio do Consulado Geral de Portugal.

Atualmente, 322 milhões de pessoas sofrem de depressão em todo mundo, de acordo com dados da OMS referentes  a 2015. Em 10 anos, de 2005 a 2015, esse número cresceu 18,4%. No Brasil, a doença afeta 11,5 milhões de brasileiros. Ainda segundo a OMS, o Brasil é o país com maior prevalência de depressão da América Latina e o segundo nas Américas, ficando atrás somente dos Estados Unidos.

imagens-imagens-de-felicidade-14

“Não é necessário ser estudioso para descobrir que a nossa sociedade vive situações delicadas para o desenvolvimento pessoal. A escalada virtuosa da tecnologia, a busca por metas inatingíveis e principalmente o medo de se descobrir e aceitar como verdadeiramente é, fez o ser humano se afastar de sua essência. No entanto, muitas pessoas já entenderam que é necessário enxergar-se nas suas várias dimensões. Cuidar do corpo e da mente para ter uma vida com bem-estar, tornou-se imperioso para estas pessoas e estão buscando, cada vez mais, respostas para preencher essa lacuna”, afirma Eduarda Oliveira, fundadora e co-organizadora do International Happiness Forum.

Sobre o International Happiness Forumimages

A terceira edição do International Happiness Forum, acontecerá em São Paulo, nos dias 2 e 3 de setembro. Durante os dois dias do evento palestrantes do Brasil, Portugal, Irlanda, China, Canadá e Uruguai irão abordar temas que apontam perspectivas sobre a felicidade e o bem-estar a partir de diferentes áreas do saber como: psicologia, pedagogia, neurociências, mindfulness, medicina, economia colaborativa, turismo de desenvolvimento pessoal, empreendedorismo social, astrologia, ciências da educação, antropologia, numerologia, yoga do riso, danças circulares etc.

Criado em Portugal por Eduarda Oliveira, em 2014, com apoio institucional da Universidade de Coimbra – uma das instituições de ensino universitário mais antigas da Europa – o evento tem como missão promover o diálogo entre as diferentes áreas do saber e a divulgação de ferramentas, técnicas e conhecimentos para uma vida mais feliz.

A cada edição o International Happiness Forum seleciona uma organização que promova felicidade e bem-estar, para onde destina parte do valor arrecadado com as inscrições. No Brasil foi escolhido o projeto Velho Amigo, que tem como missão contribuir para a cultura de inclusão do idoso, assegurando seus direitos e valorizando sua participação na sociedade.

 

Programação completa: www.ihappinessforum.com

Divulgação

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.

 

 

 

Anúncios
Carreira, Discussões, Economia criativa, Plataformas, Empreendedorismo femininno, empreendedorismo maduro, Entrevistas, Eventos

3º International Happiness Forum no Brasil

19756560_1885370395056805_478553886325351176_n

 

O Brasil foi escolhido para sediar a terceira edição do International Happiness Forum, marcado para acontecer em São Paulo, nos os dias 2 e 3 de setembro. Criado em Portugal por Eduarda Oliveira, a primeira edição do evento teve apoio de uma das instituições de ensino universitário mais antigas da Europa, a Universidade de Coimbra, e tem como missão promover o diálogo entre as diferentes áreas do saber e a divulgação de ferramentas, técnicas e conhecimentos para uma vida mais feliz. Entre as instituições que apoiam esta edição do International Happiness Forum no Brasil está o Consulado Geral de Portugal em São Paulo.

Durante os dois dias do evento palestrantes do Brasil, Portugal, Irlanda, China, Japão, Canadá e Uruguai irão abordar temas que apontam perspectivas sobre a felicidade e o bem-estar a partir de diferentes áreas do saber como: psicologia, pedagogia, neurociências, mindfulness, medicina, economia colaborativa, turismo de desenvolvimento pessoal, empreendedorismo social, astrologia, ciências da educação, antropologia, numerologia, yoga do riso, danças circulares etc.

Baseado em um modelo de gestão colaborativa o 3o International Happiness Forum tem como objetivo abrir-se ao maior número de pessoas, proporcionando uma experiência inspiradora e transformadora, oferecendo a elas ferramentas e meios para alcançarem mais felicidade e bem-estar. Os participantes encontrarão Palestras e Mesas de Debate, Workshops Indoor e Outdoor, Expo-Felicidade, Livraria Temática e Alimentação Saudável.

Quatro temas orientadores irão nortear o evento: Eu comigo mesmo; Eu nas relações; Eu nas Organizações e Eu no meio ambiente.

Por esta edição passarão Judy McAllister, canadense que há 30 anos vive na Comunidade de  Findhorn, ecovila sustentável na Escócia, tendo sido a primeira mulher a ocupar o cargo de Coordenação Geral da Comunidade; Stephen Little, irlandês especialista em Atenção Plena (Mindfulness) e diretor no Brasil da The School of Life; Chieko Aoki, formada em Direito pela USP com cursos de Administração em Tóquio e nos Estados Unidos, foi a responsável pela criação no Brasil da rede hoteleira Blue Tree, depois de ter trabalhado em países como Estados Unidos, Ásia e Europa; Rosário Pinheiro, doutora em Ciências da Educação e professora auxiliar na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra; Maria Lucia Lee, formada em Física pela Unicamp há quase 40 anos dedica-se ao estudo e ensino da Medicina Tradicional Chinesa; Zaquie Meredith, pioneira no Brasil em Constelações Familiares.

No painel de jovens transformadores teremos Bruno Capão, que após passar pela Fundação Casa e trabalhar como coletor de lixo, formou-se na USP e criou a “Sustenta CaPão” que está mudando um dos bairros mais violentos da cidade. O neurologista especialista em Medicina Antroposófica Ricardo Almeida Leme falando sobre a neuroquímica da felicidade; Patricia Gebrim, psicóloga autora de livros como “Palavra de criança” e “Gente que mora dentro da gente”; Plinio Cutait, mestre de Reiki Coordenador do Núcleo de Cuidados Integrativos do Hospital Sírio Libanês, entre outros nomes.

19732320_1885371398390038_1632098879439832291_n

A cada edição o International Happiness Forum seleciona uma organização que promova felicidade e bem-estar, para onde destina parte do valor arrecadado com as inscrições. No Brasil foi escolhido o projeto Velho Amigo, coordenado por Regina Moraes, que tem como missão contribuir para a cultura de inclusão do idoso, assegurando seus direitos e valorizando sua participação na sociedade.

19756560_1885370395056805_478553886325351176_nA busca pela realização do International Happiness Forum no Brasil partiu da iniciativa de três profissionais de diferentes áreas: Jamile Coelho, educadora e criadora do Perfil Cognitivo, ferramenta que explora as diferentes inteligências e formas de aprendizado; Ana Lúcia Paíga, psicóloga especialista em Análise Transacional, coach pelo Instituto EcoSocial e Nivea Ferradosa, experiente profissional da área de Marketing e Comunicação.

Fonte: Divulgação

 

 

Empreendedorismo femininno

Empreendedorismo maduro: aposentadoria pode ser sinônimo de oportunidade

n

Sair do mercado de trabalho não significa necessariamente chegar ao fim da carreira. Ao contrário: trata-se de um momento favorável para colocar os planos do negócio próprio em prática. A segurança, a experiência e o networking adquirido ao longo dos anos, na vida e no mercado, são características que beneficiam os aposentados que querem empreender. Romulo Tevah, sócio-fundador da Bonsai Consultoria, salienta que os empreendedores da terceira idade são menos impulsivos na tomada de decisões, e geralmente escolhem o segmento em que atuarão focando mais no prazer em executar aquela atividade do que no retorno financeiro, uma vez que já possuem outra fonte de renda.

Não há um nicho específico indicado para investimento apenas porque a pessoa está aposentada, uma vez que a escolha da área para apostar deve estar relacionada com o perfil do empreendedor. Porém, é importante ter conhecimento sobre o produto ou serviço que a empresa pretende oferecer, entender o ritmo de trabalho que o negócio irá demandar e estar disposto cumpri-lo, compreender os custos envolvidos e o risco do negócio. Uma dica é tentar um negócio em setores onde o empreendedor já tenha experiência, seja na vida profissional ou como um passatempo. “Se envolver em áreas desconhecidas e que não fazem parte da rotina da pessoa é mais arriscado”, alerta Tevah. Para Fabiano Nagamatsu, consultor do Sebrae de São Paulo, a área de serviços pode ser uma boa alternativa, justamente pela quantidade de contatos adquiridos ao longo dos anos.

Tevah lembra que a terceira idade corresponde a uma fatia significativa de pessoas e de renda no país. “Quando esse grupo decide por não se manter inativo, temos um aumento importante na circulação da economia, da geração de empregos e na melhoria da qualidade de vida”, explica o consultor. “Trata-se de uma questão social de sustentabilidade”, salienta Nagamatsu.

Confira as dicas dos consultores:  images (1)

Entenda a energia, o tempo e o recurso que o novo negócio irá demandar. Lembre-se que empreender é um ato que necessita esforço e dedicação.

Analise suas competências e se é necessário se capacitar para abrir a empresa no ramo que deseja. Avalie se realmente entende do negócio em questão.

É muito importante fazer o plano de negócios, estruturar toda parte operacional, financeira e mercadológica. Estar disposto a lidar com as burocracias é necessário.

Não tenha a aposentadoria como “mantenedora” do empreendimento. Se for preciso injetar algum dinheiro na empresa, essa operação deve ser feita de forma planejada e com retorno previsto.

Verifique se o que está projetando está sendo realizado. Para isso é indicado acompanhar de perto o negócio.

Tenha cuidado para não correr riscos desnecessários ao fazer contratos informais.

Esteja sempre acompanhando o mercado, por mais experiência e network  que tenha. Fazer pesquisas e  buscar atualizações é muito importante!

 

Site MSN