Empreendedorismo femininno

Negócios de Mulheres V Arte e Sustentabilidade, 22 de Agosto

Anúncios
Empreendedorismo femininno

Ana Paula Padrão lança portal para mulheres

Foi lançado ontem, dia 9/08,  o Portal Tempo de Mulher.   O objetivo é  trazer um banco de dados permanentemente alimentado por diversos instrumentos, com monitoramento de redes sociais, pesquisa online e pesquisas tradicionais.

Convite do evento de lançamentoNos últimos anos, a renda feminina passou de R$ 412,4 bilhões para R$ 693,5 bilhões. Deste total, as consumidoras da classe C respondem por 47,1%.  Segundo a jornalista Ana Paula Padrão, uma das idealizadoras do projeto ,  “a mulher da nova classe média  precisa de informação, precisa de repertório, precisa preencher determinadas lacunas de educação para facilitar a vida dela. A gente quer dar informações sobre empreendedorismo, saúde, administração das finanças, educação de filhos, coisas que ela precisa no dia a dia para conseguir equilibrar melhor as tarefas”, conclui a apresentadora.

Veja Ana Paula Padrão falando sobre o projeto.

Fonte – Portal Imprensa.

Exame.com.

Empreendedorismo femininno

Duas em cada três brasileiras se diz estressada…

Insônia, dor de cabeça, depressão, taquicardia, dor de estômago e explosões de raiva são alguns dos sintomas de depressão nas mulheres.

A forma como a mulher lida com o estresse é apontada como uma hipótese pela qual o sexo feminino acaba sendo alvo mais frequente desse fenômeno. O  homem é “mais objetivo”, parte logo para a resolução do problema. A mulher muitas vezes sofre e reflete muito sobre os problemas, revivendo-os inúmeras vezes.

A Nielsen Consultoria entrevistou  6.500 mulheres entre fevereiro e abril deste ano para chegar a essas conclusões. No Brasil, foram ouvidas 318 mulheres. As brasileiras ocupam a quarta colocação no mundo, enquanto que as mais estressadas são as indianas.

A pesquisa da consultoria concluiu que as mulheres desempenham vários papeis, o que faz com que seus níveis de estresse aumentem. Entretanto, as estruturas sociais em torno delas variam muito entre países desenvolvidos e emergentes, variando, portanto os níveis de exposição das mulheres ao estresse. Como resultado, mulheres em países emergentes tendem a sentir maior pressão.

Leia mais: http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,duas-em-cada-tres-brasileiras-se-diz-estressada-diz-pesquisa,744290,0.htm

fonte BBC Brasil